quarta-feira, 28 de agosto de 2019

Roadtrip italiana: de Milão a Florença

Quem segue a minha conta no Instagram sabe que há uns meses atrás, mais propriamente em Março, estive na Itália. Era um daqueles destinos que estava no topo da lista, pela proximidade, pelo preço das viagens, mas principalmente porque queria muito muito conhecer as Cinque Terre. Pode parecer estranho, mas não era nem Veneza, nem Florença que despertava em mim a maior curiosidade, mas sim as cinco pequenas aldeias perdidas à beira mar.

Já vos contei aqui que primeiro ainda demos um saltinho a Zermatt e só depois segui para Itália. Apanhei o comboio em Brig até à Estação Central de Milão, que me levou aproximadamente 2h de viagem, super tranquilas.
Chegada a Milão, as coisas começaram a não correr tão bem. Primeiro porque vinha de um lugar completamente sossegado e limpo, com paisagens incríveis, rodeada de Natureza e um tempo ótimo, já em Milão o tempo estava muito cinzento, havia montes de gente (normal) e à exceção da imponente Catedral, a famosa Duomo di Milano, vi uma cidade com prédios, igual a tantas outras. A juntar a isso ainda ficamos sem carro, já que o nosso cartão não foi aceite e depois de alguma procura, conseguimos arranjar um Fiat Panda que ficava muito a dever à limpeza e como devem imaginar super pequeno para quatro pessoas com malas para 6 dias. 
O dia atrasou imenso, os planos saíram-nos todos ao lado e como o destino final seria Florença, fizemos um pequeno desvio até Bolonha para jantar, a cidade a quem a gastronomia dá bom nome. Jantámos na Osteria dell'Orsa.
Mas o dia tinha tudo para continuar a correr mal, já que nos esquecemos de verificar a hora limite de check-in no apartamento e às 20h30 recebemos uma mensagem a dizer que o horário terminava às 20h. Basicamente entramos em pânico, com o jantar praticamente a meio, tivemos que comer a correr e continuar a correr até ao carro, enquanto suplicávamos para não nos fecharem as portas do AP, isto quando ainda tínhamos mais de 1h de viagem. Chegados ao destino, ouvimos um belo de um raspanete e ainda nos tentaram "chular" ao máximo, valeu-nos a experiência do tio com este género de situações. 
Finalmente podemos respirar de alívio e ainda fomos dar um pequeno passeio pelo centro de Florença e comer uma fatia de pizza, porque depois de tanta peripécia pegou-nos a fome.

Catedral de Santa Maria del Fiore
A segunda feira acordou-nos com chuva, queríamos começar cedo para aproveitar bem o dia, já que à noite já iríamos ficar em Verona, mas o tempo parecia não nos querer deixar. Mesmo assim fizemo-nos mais fortes que ela e fomos enfrentá-la. Lá acabou por nos dar algumas tréguas, ao contrário do frio que se fazia sentir com alguma intensidade. Chegados ao centro, estacionamos o carro e fomos a pé percorrer as ruelas, em busca dos edifícios mais icónicos. 
A primeira de todas elas a Catedral de Santa Maria del Fiore, o Duomo de Florença, que na sua época era a maior da Europa.



Passamos também em frente ao Palácio Vecchio, mais um monumento de destaque nesta bela cidade e depois seguimos para a famosa Ponte Vecchio com as suas muitas lojas ao longo de todo o tabuleiro. É um verdadeiro postal!


Florença, sendo a capital da região da Toscana, é o ponto de partida para conhecer as cidades à sua volta, no nosso caso aproveitamos para ir até Pisa, famosa pela sua torre inclinada, e aproveitar para fazer umas figurinhas.



Mas não terminou aqui o nosso segundo dia por Itália, ainda deu para conhecer-mos o ponto alto desta viagem. Para saberem qual foi, basta esperarem pelo próximo post.
Até breve ❤


Sem comentários:

Enviar um comentário