quarta-feira, 28 de agosto de 2019

Roadtrip italiana: de Milão a Florença

Quem segue a minha conta no Instagram sabe que há uns meses atrás, mais propriamente em Março, estive na Itália. Era um daqueles destinos que estava no topo da lista, pela proximidade, pelo preço das viagens, mas principalmente porque queria muito muito conhecer as Cinque Terre. Pode parecer estranho, mas não era nem Veneza, nem Florença que despertava em mim a maior curiosidade, mas sim as cinco pequenas aldeias perdidas à beira mar.

Já vos contei aqui que primeiro ainda demos um saltinho a Zermatt e só depois segui para Itália. Apanhei o comboio em Brig até à Estação Central de Milão, que me levou aproximadamente 2h de viagem, super tranquilas.
Chegada a Milão, as coisas começaram a não correr tão bem. Primeiro porque vinha de um lugar completamente sossegado e limpo, com paisagens incríveis, rodeada de Natureza e um tempo ótimo, já em Milão o tempo estava muito cinzento, havia montes de gente (normal) e à exceção da imponente Catedral, a famosa Duomo di Milano, vi uma cidade com prédios, igual a tantas outras. A juntar a isso ainda ficamos sem carro, já que o nosso cartão não foi aceite e depois de alguma procura, conseguimos arranjar um Fiat Panda que ficava muito a dever à limpeza e como devem imaginar super pequeno para quatro pessoas com malas para 6 dias. 
O dia atrasou imenso, os planos saíram-nos todos ao lado e como o destino final seria Florença, fizemos um pequeno desvio até Bolonha para jantar, a cidade a quem a gastronomia dá bom nome. Jantámos na Osteria dell'Orsa.
Mas o dia tinha tudo para continuar a correr mal, já que nos esquecemos de verificar a hora limite de check-in no apartamento e às 20h30 recebemos uma mensagem a dizer que o horário terminava às 20h. Basicamente entramos em pânico, com o jantar praticamente a meio, tivemos que comer a correr e continuar a correr até ao carro, enquanto suplicávamos para não nos fecharem as portas do AP, isto quando ainda tínhamos mais de 1h de viagem. Chegados ao destino, ouvimos um belo de um raspanete e ainda nos tentaram "chular" ao máximo, valeu-nos a experiência do tio com este género de situações. 
Finalmente podemos respirar de alívio e ainda fomos dar um pequeno passeio pelo centro de Florença e comer uma fatia de pizza, porque depois de tanta peripécia pegou-nos a fome.

Catedral de Santa Maria del Fiore
A segunda feira acordou-nos com chuva, queríamos começar cedo para aproveitar bem o dia, já que à noite já iríamos ficar em Verona, mas o tempo parecia não nos querer deixar. Mesmo assim fizemo-nos mais fortes que ela e fomos enfrentá-la. Lá acabou por nos dar algumas tréguas, ao contrário do frio que se fazia sentir com alguma intensidade. Chegados ao centro, estacionamos o carro e fomos a pé percorrer as ruelas, em busca dos edifícios mais icónicos. 
A primeira de todas elas a Catedral de Santa Maria del Fiore, o Duomo de Florença, que na sua época era a maior da Europa.



Passamos também em frente ao Palácio Vecchio, mais um monumento de destaque nesta bela cidade e depois seguimos para a famosa Ponte Vecchio com as suas muitas lojas ao longo de todo o tabuleiro. É um verdadeiro postal!


Florença, sendo a capital da região da Toscana, é o ponto de partida para conhecer as cidades à sua volta, no nosso caso aproveitamos para ir até Pisa, famosa pela sua torre inclinada, e aproveitar para fazer umas figurinhas.



Mas não terminou aqui o nosso segundo dia por Itália, ainda deu para conhecer-mos o ponto alto desta viagem. Para saberem qual foi, basta esperarem pelo próximo post.
Até breve ❤


sexta-feira, 28 de junho de 2019

Ecovia do Vez, até Sistelo (etapa 3)

Alguém está de férias  ("euzinha") e decidiu virar-se para os trilhos esta semana. Já que o verão continua muito envergonhado e não dá para praia, fui fazer outra das coisas que mais adoro: caminhar em comunhão com a Natureza. E a eleita, para uma quinta feira que nos acordou com nevoeiro matinal, foi a terceira etapa da Ecovia do Vez. O percurso tem aproximadamente 32 km, mas nós apenas fizemos 10km, que iniciamos na Ponte Medieval de Vilela e terminámos em Sistelo, conhecida como pequeno Tibete Português e uma das aldeias vencedoras do concurso 7 Maravilhas de Portugal.




 Apesar do nevoeiro matinal, a tarde ficou mais composta e esteve um ótimo tempo para caminhar durante as 3 horas que percorremos este trilho. Não se assustem, íamos sem pressa, sem horas e desfrutamos ao máximo, com paragens para lanches, para descansar, para umas fotografias e para muitas conversas (mulheres juntas dá nisso).













O trilho faz-se bem, com muitas sombras e quase sempre acompanhados pelas águas transparentes do Rio Vez, que em dias de maior calor serão excelentes para um mergulho. 










No final da caminhada, já em Sistelo achamos por bem que seria melhor chamar um táxi, mas que só conseguimos com o telemóvel de um dos moradores, pois por lá nenhuma das nossas operadoras funciona. Depois ficamos a saber que existe um telefone público junto à paragem de autocarro.



Antes do regresso e como eu não estava satisfeita, pois não tinha visto os famosos socalcos, ainda pedi ao simpático taxista se era possível nos levar até ao Miradouro dos Socalcos, o qual respondeu logo que sim e nos levou até lá. Apesar de a hora não ser a melhor, pois o sol não estava na melhor posição, a vista é realmente bonita e é incrível apreciar as obras que o ser humano em comunhão com a Natureza consegue realizar.




Informações: 
- O caminho apresenta subidas/descidas bastante acentuadas e zonas em que o piso são pedregulhos bastante irregulares.
- Pelo caminho cruzámo-nos várias vezes com animais, como por exemplo cobras e sardões (o que, claro, levou a vários gritos e corridas )
- Dificilmente terão rede de telemóvel
- É essencial levar água, comida e calçado confortável


Muito importante: Nunca deixe o seu lixo para trás, não deixe nada além de pegadas.


sexta-feira, 21 de junho de 2019

Zermatt, a cidade mágica

Já se passaram três meses desde a última viagem e só agora vos vou por a par de tudo, ando uma verdadeira desleixada, com muita pena minha, mas a próxima semana é de férias e tenho esperança de dar uma "organizadela" à minha vida. Mas agora o mais importante é contar-vos tudo sobre esta passagem rápida pela Suiça, mais propriamente por Zermatt.
Aproveitamos a proximidade entre Itália e Suiça e começamos a nossa viagem nas montanhas. Já há algum tempo que os amigos tinham feito o convite e não imaginávamos nós o que estávamos a perder, é I-N-C-R-Í-V-E-L.
 Além de uma excelente receção e estadia proporcionada pelos nossos amigos, ficamos encantados com a conjugação de elementos perfeita: os telhados cobertos de neve, as montanhas bem altas que nos rodeavam, os portugueses que lá vivem ( e acreditem são mesmo muitos) que quase nos faziam lembrar que estávamos em Portugal, o rio de águas cristalinas que atravessa a cidade, a grandiosa e imponente Matterhorn, entre tantas outras coisas...

A nossa estadia foi em Tasch e foi daí que apanhamos o comboio até Zermatt, numa bela viagem que dura pouco mais de 10 minutos. Depois de lá chegarmos, podemos, então, perdermo-nos pelas ruelas da cidade. 

Não planeei nada para esta curta passagem e só depois de lá estar é que li algures num blogue que era imperdível subir ao terraço de um hotel e assim fizemos. O resultado é o que podem ver nas fotografias: encantador!







Depois, sem fazermos a mínima ideia do que íamos encontrar, continuamos a subir por um caminho que existe ao lado do hotel e entre brincadeiras, caminhos cobertos de neve, muitos "uau's" e fotografias, encontrámos um spot incrível (desculpem, estou sempre a usar esta palavra, mas é mesmo tudo INCRÍVEL).



Parceira ❤






Gostamos tanto do lugar que ficamos ali duas horas, sim, duas horas à conversa, a mostrar à família o quanto estávamos a adorar, aproveitámos também para almoçar e, claro, fazer alguns registos fotográficos.



Aproveitámos também para percorrer a zona antiga da cidade, um passeio no tempo pelas encantadoras casas que ainda mantêm a construção inicial.


Uma coisa muito importante nesta viagem, foi a sorte enorme que tivemos com o tempo, pois além de haver um belo manto de neve, as estradas estavam limpas e o tempo estava excelente, temperaturas agradáveis e um sol radiante que nos permitiu uma vista desafogada para a montanha da Toblerone.

Não podem deixar de percorrer as margens do rio que atravessa a cidade e que nos permite um belo plano para a famosa montanha.


Não deixem de conhecer esta charmosa cidade, que parece tirada de um conto de fadas.
 É mesmo um lugar mágico ❤