segunda-feira, 22 de outubro de 2018

1 ano



Este mês A Rapariga do Norte celebra 1 ano!
É verdade, já ando nestas andanças há 1 ano e como em tudo na vida passou tão rápido...
Parece que ainda foi ontem que ganhei coragem e escrevi o meu primeiro post, sempre com aquele receio do que os outros iriam pensar, de quem provavelmente iria dizer que estava maluquinha, mas mesmo assim decidi dar o passo.
Apesar de saber que chego a muito pouca gente, continuarei a escrever e a partilhar convosco aquilo que preenche a minha vida, sejam as minhas descobertas pelo meu país ou fora dele, os meus "outfits" (mesmo que não sejam o último grito da moda), os livros (tenho escrito muito pouco sobre isso) e todas as outras coisas que, por algum motivo, eu ache que tenha que partilhar com vocês.
Para celebrar nada como uma pequena sessão no meio da natureza, com o melhor fotógrafo de sempre.

Este vestido já vos tinha mostrado aqui e as botas foram a minha mais recente aquisição na Seaside, são em pele, portuguesas e combinam com qualquer coisa. 












Obrigada pela paciência e por estares sempre lá ❤







 Obrigada a todos vocês que estão desse lado, que me acompanham e que gostam do que partilho por aqui! 
Continuem desse lado ❤

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Amesterdão, cidade da liberdade

Chegou finalmente a altura de vos falar sobre a visita a Amesterdão. Já vos disse no post anterior sobre Bruges, que não morri de amores por Amesterdão, talvez porque adoro sossego, não gosto de demasiada confusão, não gosto de demasiada gente no mesmo lugar e por lá é assim, é o caos (pelo menos naquele dia foi). Espero que tenha apenas escolhido o fim de semana errado e que num regresso (quem sabe um dia), encontre uma cidade mais tranquila e mude a minha opinião.

Lamúrias à parte, não vou estar aqui só a falar mal de Amesterdão, vou antes contar-vos como foi o nosso dia. Chegamos à cidade de autocarro, a partir de Bruxelas, viagem que nos demorou aproximadamente 4 horas, porque, infelizmente, apanhamos muito trânsito. A viagem é incrível, sempre rodeados de campos verdes a perder de vista, com imensas vacas, quase a fazer lembrar os meus queridos Açores, e com alguns moinhos para completar o postal. Aproveitamos o bom tempo e almoçamos numas mesas de piquenique perto da estação, já que, como bons portugueses que somos, levamos a marmita de rissóis e panados para o almoço.
As restantes horas foram passadas em passeios a pé pelos canais, ou por vezes de Tram, com um sol maravilhoso a acompanhar-nos.












Apesar de não ter adorado o ambiente, a cidade em si é linda, os canais, conjugados com o verde das árvores que compõem as margens, as casas típicas que não queremos parar de fotografar e, claro, o facto de ser um país onde reina a liberdade e a tolerância, seja em relação a drogas, ou prostituição, por exemplo.

Quem sabe um dia não me apaixono por ti, Amesterdão ❤

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Bruges, cidade medieval


Quem me segue pelas redes está farto de saber por onde andei este fim de semana prolongado. Foram 3 dias, 3 voos, 3 países (incluindo o nosso), 6 cidades, muito poucas horas de sono, mas mais importante: foram dias de família.
Se começou da melhor forma? Hum, duvido... Costuma dizer-se que o barato sai caro e para poupar uns trocos, compramos bilhete Porto-Lisboa e depois então seguimos Lisboa-Bruxelas. Mas esqueçam, passar a noite toda, aproximadamente 9 horas, num aeroporto entre tentar dormir no chão ou em cadeiras, sem paciência para olhar mais para horas, completamente desconfortável, é coisinha que não pretendo voltar a repetir tão cedo. E para ajudar à festa o voo ainda atrasou mais ou menos meia hora. Mas pronto, depois disto as coisas rolaram sem grandes percalços.
Mesmo mortas de cansaço ainda tiramos um bocadinho da nossa sexta feira para fazer 1 hora de viagem até Bruges. E valeu tanto a pena! Provavelmente há quem diga que tenho as ideias trocadas, outros que concordarão logo comigo, mas escolher entre Bruges e Amesterdão, Bruges seria, sem dúvida, a eleita. Ambas tem bicicletas, canais e casas apaixonantes, mas só em Bruges conseguimos encontrar sossego, tranquilidade e percorrer as ruas sem estar à espera de a qualquer momento ser atropelada por uma bicicleta. 







Li algures, que Bruges é uma das cidades medievais mais bem preservadas da Europa e sem dúvida que o é, pois todos os edifícios de comércio, como por exemplo o Mcdonald's, estão enquadrados na arquitetura envolvente. Sendo uma cidade pequena, é possível visitá-la em apenas um dia, no nosso caso tínhamos apenas uma hora, mas conseguimos explorar aqueles lugares emblemáticos, onde esteve incluído o Grote Markt, provavelmente um dos sítios mais movimentados da cidade. É aqui que encontramos as casas com os telhados triangulares que dão um toque de cor e magia a esta praça no coração da cidade.




E, claro, os canais e as pontes que os atravessam são o grande ex-líbris, são quem dão um ar romântico à cidade.

Ir a Bruges tem que incluir uma fotografia no lugar mais instagramável que por lá existe, Rozenhoedkaai, com a sua árvore caída sobre o canal.











Qualquer lugar aqui é demasiado encantador para não ser fotografado.

E vocês também se apaixonaram por Bruges? 
Nos próximos dias, irei contar-vos o restante roteiro de fim de semana. Até lá ❤